Arquivos de sites

Boys, maçons e ratings

1. Ouvi dizer que há por aí um movimento de indignados contra as nomeações para o Conselho Geral e de Supervisão da EDP, e posteriormente, contra as nomeações para a Administração das Águas de Portugal. Como sempre, cronistas e opinion makers preferem aderir à notícia populista, de carácter sensacionalista que mais facilmente encontra revolta nos corações dos portugueses. Primeiro, foi um escândalo. Eduardo Catroga e Paulo Teixeira Pinto eram boys. Como tinham participado respectivamente na elaboração do programa do PSD e nas negociações com a Troika e com a proposta de revisão constitucional, foram imediatamente trucidados em público. Depois, quando alguém decidiu informar a cartilha de indignados que afinal eles até já participavam em mandatos anteriores do Conselho Geral e de Supervisão da EDP os ânimos esmoreceram-se. Mas rapidamente engendrou-se outro pretexto. Vieram então as virgens ofendidas dizer que Catroga recebia demais, 45 mil euros mensais, veja-se lá! As pessoas tendem a ignorar que o salário auferido não será pago pelo Estado… Aliás, cito:

“50% do que eu ganho vai para impostos. Quanto mais ganhar, maior é a receita do Estado com o pagamento dos meus impostos, e isso tem um efeito redistributivo para as políticas sociais” – Eduardo Catroga

É verdade que é gritante a discrepância entre os salários baixos em Portugal e este. Todavia, o país insiste em não compreender o que é fait-diver do que é estrutural, a atender ao que é prioritário em detrimento do que é acessório. António Capuchos surgiu com um argumento brilhante, de que este salário se reflectiria na factura de electricidade. Ora, se o conselheiro de estado soubesse minimamente de política enérgica saberia duas coisas: 1) que a EDP foi alienada e que caminhamos para um mercado livre e pluralista, sendo que o consumidor pode deixar de consumir da EDP a qualquer momento 2) que a factura da EDP tem este preço porque se tem subsidiado maniacamente as renováveis sem se impor metas e riscos para os privados (50% da factura da electricidade é subsídio às renováveis).

    Quantos aos administradores recentemente nomeados para a AdP, temo que de facto haja um conflito de interesses. Acredito que os autarcas tenham experiência acumulada e currículo para ocupar estas funções, mas quando são presidentes de municípios que estão altamente endividados e o credor é as Águas de Portugal, suspeito não ser possível salvaguardar os interesses de todos.

    2. Felizmente a época maçónica perdeu ânimo. Entrincheiraram-se posições por todo o lado. Uns aclamavam guerra aos maçons, afirmando a necessidade de declararem um registo de interesses; outros argumentavam a favor da privacidade dos deputados. É importante escrutinar estas dinâmicas de poder, quer dentro dos partidos, quer dentro das empresas. Todavia, nada disto interessa ao país. Efectivamente o folclore maçónico contrastou em muito com o que foi a completa passividade com que os jornalistas aceitaram a privatização da EDP, as conversas na Concertação Social ou as decisões cimeiras europeias. Não há debate em Portugal, não se aprende com estudos científicos nem experiências internacionais, continuamos a insistir em dissidir uns dos outros pela demarcação ideológica. Obviamente que as grandes decisões de Estado raramente saem perscrutadas e compreendidas.

    3. Recentemente a agência Standard & Poor’s cortou os ratings de Portugal, Espanha, França, Itália entre outros países. Clamaram-se vozes contra, desordenadas, ambíguas e pouco convictas. Afirmaram lugares comuns – “ataques especulativos dos EUA” – e não realçaram a necessidade premente de uma federação europeia política e económica. Ainda assim, a Espanha foi aos mercados com juros relativamente baixos o que já indica que os investidores europeus já pouco querem saber de ratings descredibilizados, intuídos por uma agenda política oculta.

Nota final: Uns chamam de Pacto de Agressão outros o Pacto de Salvação, mas a verdade é que o Pacto da Troika tornou-se no Pacto Olvidado nestes últimos meses.


%d bloggers like this: