Guerra da mesquinhice ideológica

É engraçado como todas as facções ideológicas vêem a guerra da Líbia (e outras guerras com certeza) como se fosse algo relacionado com elas directamente. Em vez de se discutir apoios ou posições quanto à guerra, fazem-se juízos morais meramente mediáticos e lança-se para o ar afirmações e denúncias demagógicas. Caso mais recente foi a posição do PCP, que reprovava categoricamente «o massacre perpetrado pela NATO em Trípoli» (massacre que não existe). Ora, esta afirmação veio no seguimento do reconhecimento oficial por parte do Estado Português do Conselho Nacional de Transição líbio (CNT), órgão que orienta politicamente o Exército rebelde e tem negociado fundos e ajuda humanitária com a comunidade internacional. É curioso também como o PCP sem ter alguma fonte no local para interpretar os acontecimentos desta maneira pouco ortodoxa analisa a situação em Trípoli. Aliás, a análise faz-me lembrar a entrevista de Estaline ao jornal Pravda (Verdade) em 1951, em que se usam os mesmos argumentos contra os EUA, no cenário pós-guerra.

O PCP opôs-se à guerra na Líbia porque, e cito: «visa a satisfação dos interesses estratégicos das principais potências da NATO quanto ao controle de importantes riquezas naturais, o saque dos fundos soberanos Líbios e a imposição do domínio imperialista na região do Norte de África e Médio Oriente.» Esta frase não está desprovida de verdade. O próprio Presidente Obama afirmou na sua declaração há uns meses que a operação na Líbia almejava manter a estabilidade no Médio Oriente (estabilidade esta que é fundamental sem dúvida para o abastecimento seguro e a preços razoáveis de recursos naturais, nomeadamente os fósseis). Sem dúvida que a Líbia é um parceiro estratégico e que será sempre explorada se os seus lideres não se dispuserem a usar a riqueza do petróleo para desenvolver o país. Contudo, há que perguntar ao PCP: Como seria a Líbia se tivéssemos deixado o coronel Kadhaffi continuar o massacre de civis por viverem em cidades ocupadas pelos rebeldes (palavra que se aplica correctamente, contrastando com o exagero da declaração do PCP). Achará então o PCP que o coronel abdicaria do lugar e pararia as atrocidades cometidas se sanções fossem impostas? O PCP dirá que me desvio da questão, mas eu respondo. Seria uma situação igual à da actual Síria. O Presidente Bashar al-Assad continua, num regime de total impunidade, a esmagar qualquer movimento de oposição. Ora, dir-me-ão que isolar completamente o país resultaria e traria o regime autocrático ao seu fim. Era uma hipótese, mas isso envolveria a morte de milhares de protestantes, para além das populações que morreriam por não terem comida, água e outros bens essenciais, uma vez que estariam a ser concentrados em Damascos, o quartel-general de Bashar al-Assad.

Ora, felizmente não é essa a situação que se verifica na Líbia. A intervenção da NATO (embora um bocado coxa por não ter o total empenho americano) conseguiu esmagar as tropas lealistas de Kadhaffi. A falta de desenvolvimento de uma estratégia terrestre, isto é, ajuda militar através um exército regular na Líbia foi vital para manter boas relações entre o CNT e as potências Ocidentais. As contínuas intervenções militares no Médio Oriente nas últimas décadas fizeram surgir os sentimentos radicais islâmicos que visam a destruição do Ocidente cristão, industrial e imperialista. Todavia, não se verificou a intensificação desse sentimento na Líbia, já que só se prestou auxílio aéreo, marítimo e logístico. Porém, houve um preço a pagar. A guerra durou 6 meses e desgastou a população líbia como também as suas fontes de abastecimento, agravando substancialmente o problema humanitário. Contudo, o PCP prefere ignorar que desta Revolução possa advir um regime pluripartidário e democrático. Assim como o PCP e o BE, a esquerda dogmática denuncia a guerra, justificando-se ideologicamente que a esquerda é e será sempre uma plataforma anti-guerra, escusando-se sempre de propor alternativas viáveis para a democratização e desenvolvimento destes países.

Ainda assim, como já tinha dito, há alguma verdade na afirmação do PCP. Esta guerra aconteceu por essencialmente três motivos. Os EUA, através da NATO e juntamente com os parceiros europeus querem manter uma larga influência sobre os acontecimentos do mundo, nomeadamente nas áreas problemáticas como o Médio Oriente e o Norte de África; há também razões económicas, sendo que a Itália e a Alemanha são as principais beneficiadoras do petróleo líbio como também manter a estabilidade do seu preço; e, finalmente, há uma questão de proximidade geográfica. A Europa tem relações muito próximas com os países do Norte África, nomeadamente através das vagas de imigrantes que provém do Norte de África, pelo petróleo importado e pelas cimeiras organizadas entre os dois blocos geopolíticos. Seria, portanto, muito difícil aos líderes europeus abandonarem estes países que são estrategicamente importantes, com quem criaram fortes laços diplomáticos. Esta situação não se verifica na Síria por exemplo, que é um país do Médio Oriente, relativamente isolado da exposição mediática europeia.

Todos sabemos as intenções dos EUA e do Presidente Obama. Todos sabemos que quanto maior controlo os EUA tiverem sobre o petróleo, melhor será o preço e a segurança do abastecimento. E sabemos que este é objectivo de todos os Estados ocidentais industrializados. Contudo, isto não impede que haja a tentativa de criar uma Líbia mais desenvolvida (Kadhaffi tem cerca de 70 mil milhões de dollars em contas por todo mundo) que possa investir, criar algum bem-estar para o povo líbio. Sabemos que essa luta não será fácil, uma vez que será expectável, embora bastante reprovável, que as potências ocidentais cobrem agora a ajuda ao CNT. Todavia, permitir que este dogmatismo de esquerda – a plataforma anti-guerra – nos cegue, e que tome conta da opinião pública seria um dano incalculável ao bem-estar da Líbia e de outros países como este. É de rejeitar qualquer sentimentalismo pacífico, mascarado de falsa coerência ideológica que corresponde nada mais ao prolongar da descredibilização deste tipo de esquerda como também do sofrimento de outros povos oprimidos.

Anúncios

About João Quartilho

Estudante na FDUCP

Posted on Agosto 27, 2011, in Europa, Portugal. Bookmark the permalink. 5 comentários.

  1. Sempre atenta ao que escreves, gostei e espero que continues a “crescer” nas tuas reflexoes. Um beijo ternurento
    Teresa

  2. Muito interessante. A hipocrisia de algumas organizações fica muito bem espelhada neste post. Será muito interessante de acompanhar os próximos desenvolvimentos.
    Um texto simples e muito fácil de ler e seguir. Gostei muito.
    Um abração
    Pai

  3. Olá camarada Quartilho,

    Cá estou eu finalmente, para deixar umas palavrinhas depois de ler atentamente o post. Realmente, não posso deixar de condenar também essas afirmações (infelizmente) demasiado típicas do PCP, em que o partido parece ter-se esquecido de que dogmas são coisas que já abundam em excesso na nossa sociedade (sem dar bom resultado, diga-se de passagem) e que já alimentaram um regime excessivamente doentio para agora podermos estar a basear-nos nos mesmos falsos pressupostos que esse regime. É ocasião para pedir mais uma vez ao PCP que evolua, se lembre que o tempo dos socialismos dogmáticos já passou e tente dizer as coisas por outras palavras!

    Cabe a quem se afirma de esquerda perceber que está em causa a defesa da democracia, da liberdade de pensamento e do espírito crítico. E que estas condições são fundamentais para que o povo líbio possa, aí sim, libertar-se das tentativas ditas imperialistas dos EUA e da Europa. Enquanto não existe nada disto e temos a presença opressora de Kaddhafi a fazer sombra sobre todo um país, não podemos propriamente dizer que o seu povo consegue preservar a soberania, mas mais correctamente que Kaddhafi e os seus familiares conseguem preservar uma espécie de pseudo-soberania naquele que é quase o seu território, sem o mínimo de consideração pela restante população. Ou seja, por mim, é um dever dos países da Europa meridional/mediterrânica intervirem na medida certa no conflito que se desenvolve, uma vez que estamos a falar de uma possível vitória dos valores democráticos e direitos humanos, não do fundamentalismo islâmico nem necessariamente de um governo controlado por potências estrangeiras. E por esta possibilidade, além da nossa proximidade com a Líbia, é que se percebe alguma necessidade de intervenção. Além disso, não estamos a falar de um país sem resistência própria, no qual a NATO tenha intervido sozinha para derrubar o regime. Estamos a falar de um povo capaz de se insurgir autonomamente, sendo a presença da NATO nada mais que uma ajuda que venha a demonstrar solidariedade dos países da Europa face ao povo líbio e vontade de obter um mundo mais justo e democrático.

    Agora, qual o problema desta guerra (e, atenção, não é a existência da guerra, como a esquerda tem vindo a afirmar), que cabe à esquerda denunciar e condenar? Aí sim podemos falar dos propósitos dos participantes da guerra ao realizá-la e condenar o facto de muitas vezes a luta se fazer puramente por interesses económicos e estratégicos. Porque aí, sim, estamos a utilizar o povo líbio como um meio, e o nosso objectivo não deve ser esse, deve ser de lhe dar o poder que Kaddhafi lhe tinha tirado quando subiu ao poder – temos que ter em conta as necessidades do povo líbio como um fim, e depois deixar o regime líbio seguir o curso que tiver que tomar.

    Em suma, o que se pretende com esta guerra não deve ser (embora muito infelizmente demasiadas vezes seja) obter favores, mas dar uma soberania à população líbia que esta não tem. Aqui se demonstra o ridículo de um PCP empenhado em defender uma soberania líbia onde esta nunca existiu.

    Um abraço,
    João Pereira

  4. Ora, felizmente (discutível)não é essa a situação que se verifica na Líbia.

    A intervenção da NATO (embora um bocado coxa por não ter o total empenho americano aprnas uma dezena de milhar de projécteis) conseguiu esmagar as tropas lealistas de Kadhaffi matando ou cortando pedaços a 5000 e esmagando uns 20 ou 30 mil milhões em construções e equipamentos vários

    conseguiu um massacre de sub-saharianos talvez 4 ou 5 mil expulsão dos restantes para guetos (pois ainda precisam de quem lhes leve o lixo) e uma nação livre a necessitar de obras
    aí uns 4 ou 5 anos de petróleo coisa pouca

    com negociatas e bakchich pelo meio uns 8 a 10 anos de pitroil

    • Boas,

      Aqui não se discutiu se a guerra poderia ser conduzida de outra maneira ou se os danos causados são excessivamente grandes. Os sub-saharianos de que falas não tenho conhecimento e peço-te fontes s.f.f, por outro lado, sei que o ditador contratou sub-saharianos e outros como mercenários para massacrar o seu povo.

      Todos os países do da Primera Árabe vão defrontar problemas em ressurgir, nomedamente a corrupção. Contudo, parece-me que uma situação a poucos anos será melhor do que um ditador que tem à volta de 70 mil milhoes de dollars em contas off-shore e que tem um país na miséria.

      Sim há povos mais oprimidos que outros. No Afeganistão, os seus habitantes eram oprimidos pelos Talibans. Obviamente que não foram os norte-americanos que os libertaram mas a verdade é que o Afeganistão poderá seguir melhor o seu caminho sem fanatismos religiosos e senhores da guerra regionais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: